Somos Digital! Estamos em todos os lugares!  Atendimento: 24 Horas  Ligue:

Carrinho

Éden Lopes

Author Archive

Saiba quais doenças você pode passar para o teu animal de estimação
doenças cão e gato
Saiba quais doenças você pode passar para o teu animal de estimação

Ter um animal de estimação é ter sempre um companheiro à seu lado. Por esse motivo, a busca por um novo amigo para você e sua família é natural, principalmente para aqueles que buscam alegrar o lar por meio da interação com o novo integrante.

Uma pesquisa realizada pela Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de São Paulo em 2015, demonstrou que a grande maioria da população brasileira apresenta ou um cão ou um gato em sua residência. Desta forma, torna-se necessária a emissão de alertas sobre vacinação e vermifugação, a fim de evitar que doenças como a leptospirose, raiva e toxoplasmose sejam transferidas para seus donos.

Porém, o caminho reverso também é possível e é pouco falado.

As zooantroponoses, popularmente conhecidas como doenças que são transmitidas do humano para seu pet, são menos frequentes. Mesmo assim, é necessário redobrar a atenção com o objetivo de evitar o adoecimento de seu companheiro afinal, quem ama cuida.

Algumas das zooantroponoses são:

Índice

Gripe

A gripe pode sim ser passada de seres humanos aos animais e acontece por contato direto com ele. Recomenda-se a higienização das mãos sempre que entrar em contato com seu bicho de estimação e que evite dormir no mesmo espaço com ele.

Pegar no colo, dar beijos e outras formas de contato também ficam fora de questão até a recuperação completa do dono.

Em casos de contágio, os sintomas são muito similares à uma gripe humana, apresentando espirros, febre, mal estar, falta de disposição e outros.


Verminoses e parasitoses

Algumas verminoses podem ser transmitidas de humanos para seus cães e gatos por meio do contato com áreas contaminadas como em banheiros. Mas a principal fonte é por meio de alimentos contaminados.

A teníase, giardíase e ascaridíase são exemplos dessas doenças. Os sintomas são similares aos sofridos por humanos com o aparecimento de febre, diarréia e vômitos.

Vale ressaltar que, às vezes, o hábito de fornecer a sua comida ao pet também pode infectá-lo assim como à você.

Bacterioses

A principal bacteriose transmitida do ser humano para seu pet é a tuberculose. A tuberculose é uma doença que afeta os pulmões, rins, ossos e as meninges (membranas que protegem o sistema nervoso).

A infecção ocorre quando a bactéria é inalada ou ingerida e a transmissão pode ser feita por meio de tosses, espirros, beijos e derivados. É uma doença grave e que faz necessário o acompanhamento de um médico.

Em pets, os sintomas que aparecem são a tosse, febre, perda de peso progressiva e fraqueza.

Outra bacteriose é a MRSA, transmitida pela bactéria Staphylococcus aureus, que pode ser desenvolvida em uma infecção de pele ou em quadros mais graves, a bactéria se instala na corrente sanguínea e causa danos mais graves, podendo atingir até o coração.

Alguns dos sintomas são a coceira persistente, febre, dor e perda de apetite.

Micoses

Micoses são doenças provocadas por fungos. Frequentemente apresentam erupções na pele que ao entrarem em contato com animais podem ser transmitidas.

A melhor saída é o tratamento medicamentoso com acompanhamento de um veterinário.

O contato com o pet deverá ser evitado, a fim de reduzir as chances de contágio.

Como evitar de passar doenças ao pet

Pensando em todas essas formas de contágio, a melhor forma de evitá-las é:

  • manter a higiene,
  • estar sempre atento à alimentação,
  • hidratação,
  • às vacinas,
  • aos vermífugos,
  • aos antibióticos quando necessários e
  • às medicações para ambas as partes.

Assegurar esses cuidados fortalecem o sistema imunológico e diminuem as chances de desenvolvimento de doenças.

Sthetoscope

lorem quis bibendum auctor, nisi elit consequat ipsum, nec sagittis.

Integer egestas erat quis est condimentum feugiat. Pellentesque vestibulum metus diam, vel consequat sem dictum sollicitudin.

Child Care

lorem quis bibendum auctor, nisi elit consequat ipsum, nec sagittis.

Integer egestas erat quis est condimentum feugiat. Pellentesque vestibulum metus diam, vel consequat sem dictum sollicitudin.

Deus nos ajude? Como a religião é boa (e ruim) para a saúde mental

Vários estudos descobriram que pessoas dedicadas têm menos sintomas de depressão e ansiedade, além de uma melhor capacidade de lidar com o estresse. Estudos sugerem que certas práticas religiosas podem até mudar o cérebro de uma maneira que melhore a saúde mental.

Nesta semana e outras semanas, milhões de americanos, brasileiros ou quaisquer que seja etnia da religião católica; estão percorrendo multidões e passam horas viajando para dar uma olhada no Papa Francisco em sua primeira visita a este país. Para aqueles que são devotos religiosos, a viagem do Papa aos Estados Unidos apresenta uma oportunidade única de obter bênçãos papais, receber misericórdia e sentir-se mais perto de Deus.

Mas mesmo aqueles católicos devotos que não estão na primeira fila da visita de Francis podem ver benefícios para suas crenças. Muita pesquisa associou ser religioso a uma melhor saúde e bem-estar mental em geral. Vários estudos descobriram que pessoas dedicadas têm menos sintomas de depressão e ansiedade, além de uma melhor capacidade de lidar com o estresse. Alguns estudos sugerem que certas práticas religiosas podem até mudar o cérebro de uma maneira que melhore a saúde mental.

No entanto, a religião também pode ser uma faca de dois gumes: crenças religiosas negativas, por exemplo, que Deus está punindo ou abandonando você, têm sido associadas a resultados prejudiciais, incluindo taxas mais altas de depressão e maior qualidade de vida. baixo.

“Se as pessoas têm uma percepção amorosa e bondosa de Deus” e sentem que Deus as apoia, elas parecem experimentar benefícios, disse Kenneth Pargament, professor de psicologia e especialista em religião e saúde na Universidade Estadual de Bowling Green, em Ohio. Mas “sabemos que há um lado sombrio da espiritualidade”, disse Pargament. “Se você tende a ver Deus como punitivo, ameaçador ou pouco confiável, isso não ajuda muito” a sua saúde, ele disse. [8 maneiras pelas quais a religião afeta sua vida]

Benefícios de saúde mental da religião

Um grande corpo de pesquisa, principalmente entre pessoas nos Estados Unidos, vinculou crenças religiosas a resultados positivos em saúde mental. Por exemplo, um estudo de 2005 com idosos na área da Baía de São Francisco descobriu que ser religioso servia de amortecedor contra a depressão entre pessoas com problemas de saúde, com os níveis mais altos de depressão entre aqueles com problemas de saúde e não religioso. Além disso, um estudo de 2013 descobriu que os pacientes que estão sendo tratados por problemas de saúde mental, como depressão ou ansiedade, responderam melhor ao tratamento se acreditassem em Deus.

Em outra revisão de 93 estudos sobre religião e saúde, o Dr. Harold G. Koenig, diretor do Centro de Espiritualidade, Teologia e Saúde do Duke University Medical Center, descobriu que mais pessoas religiosas tinham menos sintomas depressivos.

“As pessoas que estão mais envolvidas em práticas religiosas e que estão mais envolvidas religiosamente parecem lidar melhor com o estresse”, disse Koenig. “Uma das razões é porque [a religião] dá às pessoas um senso de propósito e significado na vida, e isso as ajuda a entender as coisas negativas que lhes acontecem”, disse Koenig. A comunidade religiosa de uma pessoa também pode fornecer apoio e incentivo em tempos difíceis, disse ele.

Religião e o cérebro

Estudos sobre o cérebro de pessoas religiosas também podem fornecer uma explicação para a ligação entre religião e benefícios à saúde mental, disse o Dr. Andrew Newberg, neurocientista da Universidade Thomas Jefferson e Hospital, na Filadélfia. Estudos sugerem que a meditação e a oração meditativa (como a oração que repete uma frase em particular) ativam áreas do cérebro envolvidas na regulação das respostas emocionais, incluindo os lobos frontais, disse Newberg.

Um estudo de 2010 de Newberg e colegas, que incluiu exames cerebrais de freiras tibetanas e franciscanas, descobriu que esses meditadores de longo prazo eram mais ativos nas áreas do lobo frontal, como o córtex pré-frontal, em comparação com pessoas que não eram meditadores de longo prazo.

O fortalecimento dessas áreas do cérebro pode ajudar as pessoas a serem “mais calmas, menos reacionárias, mais capazes de lidar com estressores”, disse Newberg. No entanto, esses estudos não podem dizer que a oração mudou o cérebro; É possível que essas diferenças existissem antes dos meditadores começarem sua prática de oração. [Jogos mentais: 7 razões pelas quais você deve meditar]

Também é possível que crenças e ensinamentos defendidos por uma religião, como perdão, amor e compaixão, “sejam integrados à maneira como o cérebro funciona”, disse Newberg. Quanto mais certas conexões neuronais são usadas no cérebro, mais fortes elas se tornam, ele disse, por isso, se uma religião defende a compaixão, os circuitos neurais envolvidos no pensamento sobre a compaixão se tornam mais fortes.

“Então você continua voltando a esses sentimentos e emoções positivas, e isso reduz o estresse, a ansiedade e pode levar à redução dos hormônios do estresse”, disse Newberg.

Algumas religiões também defendem que os membros fiquem longe de comportamentos de alto risco à saúde, como fumar, beber álcool ou comer demais. Afastar-se desses comportamentos prejudiciais também pode ser benéfico para a função cerebral, disse ele.

Desvantagens para os devotos

No entanto, a religião nem sempre tem um efeito positivo na saúde mental: seu impacto depende das crenças de uma pessoa e se a comunidade em geral aceita religião, disseram especialistas.

Por exemplo, se em vez de advogar amor e compaixão, uma religião advogar o ódio aos incrédulos, essas crenças negativas também se tornariam parte de como o cérebro funciona, disse Newberg. Teoricamente, isso ativaria áreas do cérebro envolvidas no pensamento de ódio e poderia aumentar o estresse e estimular a liberação de hormônios do estresse, disse Newberg.

Além disso, se algumas pessoas acreditam que uma condição de saúde, como o vício, é um castigo de Deus, é menos provável que procurem tratamento, disse Newberg.

Pargament também descobriu que quando as pessoas acreditam que Deus as abandonou, ou quando questionam o amor de Deus por elas, elas tendem a experimentar maior sofrimento emocional e até a enfrentar um risco maior de morte prematura.

“Esse tipo de luta tem a ver com aspectos da vida que você considera sagrados”, disse Pargament. “Quando eles te abalarem nesse nível, então … será muito angustiante.”

Exatamente por que algumas pessoas têm uma visão positiva da religião, enquanto outras têm uma opinião negativa, é desconhecido, e mais estudos precisam ser feitos para examinar essa questão, disse Newberg.

Pargament disse que algumas pessoas podem sair de uma luta religiosa se sentindo mais completas, principalmente aquelas que têm o apoio da comunidade durante toda a luta.

Electro

lorem quis bibendum auctor, nisi elit consequat ipsum, nec sagittis.

Integer egestas erat quis est condimentum feugiat. Pellentesque vestibulum metus diam, vel consequat sem dictum sollicitudin.

Sthetoscope

lorem quis bibendum auctor, nisi elit consequat ipsum, nec sagittis.

Integer egestas erat quis est condimentum feugiat. Pellentesque vestibulum metus diam, vel consequat sem dictum sollicitudin.

Child Care

lorem quis bibendum auctor, nisi elit consequat ipsum, nec sagittis.

Integer egestas erat quis est condimentum feugiat. Pellentesque vestibulum metus diam, vel consequat sem dictum sollicitudin.